Sobre viajar com dogs – PARTE III

DESEMBARQUE E OUTRAS CONSIDERAÇÕES

Se você já leu a primeira e a segunda parte desta série, já deve estar sabendo quase tudo sobre embarque com animais em voos dentro do Brasil. Agora vamos apenas aos últimos detalhes.

Depois de acertar todas as burocracias necessárias, colocar seu dog no avião, você desce no seu destino e está tudo bem, certo? Bom, se você viajou com ele na cabine é muito provável que sim. Mas, se você embarcou seu dog no porão, recomendo tentar sair do avião sem demoras (mas também não precisa tentar passar por cima das pessoas).

Quando eu embarquei com a minha cachorrinha pela primeira vez, ela foi no porão e a companhia aérea me informou que ela seria entregue a mim em mãos por um funcionário da empresa. Mas não foi isso que aconteceu. Ao chegar ao aeroporto, fui correndo procurar um funcionário da TAM (companhia que havia escolhido) para encontrar a Zelda. Ele, calmamente, disse que eu poderia pegá-la na esteira – PASMEM! – onde eu iria pegar a minha bagagem e, gentilmente, me deu a dica de ficar no comecinho da esteira para que ela não fizesse todo o percurso. Na verdade, isso aconteceu comigo duas vezes com a mesma companhia aérea e em todas as duas eu reclamei no Twitter e no aeroporto mas nada aconteceu.

Não tenho certeza se é assim em todas as empresas, mas na TAM o seu dog sai do avião e vem no carro junto com as bagagens até a parte interna do aeroporto =/ É triste, né? Mas é a realidade que eu vi.

Depois que a Zelda saiu da caixa ela estava apavorada e eu com o coração na mão. E na verdade, senhores, esse é o motivo pelo qual eu espero não viajar mais com ela, já que a caixa que ela pode viajar dentro do avião é muito pequena para ela (cabe, mas fica apertado).

Bom, se o seu dog é super tranquilo ou super pequeno, a experiência pode ser muito diferente das que eu tive. E, caso você precise embarcar, espero que esta série ajude a tirar suas dúvidas e – se precisar de ajuda, pode falar com a gente por aqui, vamos adorar ler os seus comentários.

Confira as outras partes desta série:
Parte 3 – Desembarque e outras considerações
Fotografia no topo: Flavio Gasperini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *